O Fórum Nacional das Atividades de Base Florestal (FNBF), entidade representativa do setor de base florestal nativa, que congrega 24 entidades sediadas em diversos estados brasileiros, representando mais de 3.500 empresas associadas, tendo em vista a deflagração da Operação Arquimedes, pela Polícia Federal, manifesta-se, publicamente, nos seguintes termos: – Sem pretender fazer nenhum pré-julgamento dos …

CIPEM - COMUNICADO sobre Operação Arquimedes COMUNICADO sobre Operação Arquimedes | CIPEM
  • Av. Historiador Rubens de Mendonça, 4193, Centro Político.
  • (65) 3644-3666

COMUNICADO sobre Operação Arquimedes

  • Compartilhar:

O Fórum Nacional das Atividades de Base Florestal (FNBF), entidade representativa do setor de base florestal nativa, que congrega 24 entidades sediadas em diversos estados brasileiros, representando mais de 3.500 empresas associadas, tendo em vista a deflagração da Operação Arquimedes, pela Polícia Federal, manifesta-se, publicamente, nos seguintes termos:

– Sem pretender fazer nenhum pré-julgamento dos fatos e das pessoas citadas nas notícias veiculadas pela mídia, os quais estão sendo objeto dessa investigação, esclarece que esta Entidade é totalmente favorável a qualquer operação policial, bem como ações do poder judiciário as quais visem coibir, reprimir e punir a prática de ilícitos florestais, fazendo valer a legislação ambiental e outras, aplicáveis às atividades florestais.

– O impacto da ilegalidade no setor florestal é imenso sob todos os aspectos, pois prejudica toda a cadeia de produção madeireira, a começar pelo próprio meio ambiente, que sofre as nefastas consequências da agressões causadas pela exploração ilícita, feita em desacordo com as regras da conservação e manutenção dos estoques florestais, já que desrespeita as próprias regras do Manejo Florestal, colocando em risco a sustentabilidade da atividade e, em consequência, do próprio setor florestal brasileiro.

– Em segundo plano, a exploração ilegal de madeira prejudica a própria economia nacional, já que a ilegalidade induz à competição desleal, prejudicando, primeiramente, as pessoas e empresas que desenvolvem a atividade de acordo com a legislação e cumprem as suas obrigações ambientais e tributárias, arcando com todos os custos, o que não ocorre em relação às empresas que desenvolvem a atividade de maneira clandestina. Dessa forma, a atividade madeireira ilegal diminui o acesso ao mercado consumidor dos produtos legais, reduzindo a arrecadação de impostos.

– Além disso, a exploração florestal ilícita impacta, diretamente, a imagem do setor florestal como um todo, o qual acaba, de maneira generalizada, sendo taxado como ilegal. Com isso, toda a cadeia de produção madeireira sofre os impactos negativos das notícias e da exploração ilegal de madeira.

Dessa forma, o FNBF apoia as operações desenvolvidas no sentido de combater as atividades ilegais, ressaltando sempre a necessidade da eficiência, transparência e celeridade das investigações, bem como à punição exemplar dos eventuais responsáveis, evitando-se excessos, que possam acabar prejudicando ainda mais a imagem do setor.

Brasília, 25 de abril de 2019.

Fórum Nacional das Atividades de Base Florestal – FNBF


Ultimas Notícias Relacionadas

  • Setor de Base Florestal empossa diretoria do CIPEM e Rafael Mason conduz mais um biênio à frente da entidade

    | 27 de setembro de 2019

    Leia Agora
  • Programa Madeira 4.0 oferece novas consultorias gratuitas sobre gestão de estoque e eficiência energética

    Daniela Torezzan - Assessoria de Comunicação CIPEM | 12 de agosto de 2019

    Leia Agora
  • Nova diretoria do Sindusmad foi empossada

    Assessoria do Sindusmad | 6 de agosto de 2019

    Leia Agora
  • Sindicatos conseguem suspender lista de preços mínimos da madeira em Mato Grosso

    | 29 de julho de 2019

    Leia Agora
  • Dia na Floresta mostra manejo florestal sustentável na prática

    Daniela Torezzan - Assessoria de Comunicação CIPEM | 9 de julho de 2019

    Leia Agora
  • Cipem e UFMT promovem evento sobre uso da madeira na arquitetura do futuro

    Daniela Torezzan - Assessoria de Comunicação do CIPEM | 8 de julho de 2019

    Leia Agora